Postado por em 7 jun 2015

Decors-Evange

Estudo oferecido no Grupo da Fraternidade Espírita Irmão Estêvão em 8 de junho de 2015

Audio da palestra (mp3) – Obreiros do Senhor

Separador-Evange

Ao longo de nossas vidas muitas vezes ouvimos sobre os ensinamentos do grande Mestre e médico de almas – Jesus.

Lemos os textos evangélicos, assistimos a palestras, participamos de estudos. Chegamos mesmo a refletir e oferecer opiniões a respeito da sua jornada terrena entre nós.

No entanto, ainda estamos jornadeando, pelos caminhos terrestres, inseguros, cheios de dúvidas e indagações. Cercamo-nos dos aspectos teóricos, expressamo-nos de forma intelectualizada sem, contudo, falarmos com o coração.

Nossas ações muitas vezes são tão-somente a expressão exteriorizada de um conhecimento vazio de convicção, sem emoções verdadeiras que dariam ao nosso discurso uma expressão de confiabilidade, de convicção. Não somos convincentes na verdade, pois não há ainda internalização dos ensinamentos, somente as informações contidas nos evangelhos. Em muitos momentos somos só oradores, mas não somos divulgadores de fé da essência dos ensinamentos.

Precisamos refletir sobre o que representa ser Obreiros do Senhor.

O significado da palavra obreiro é: trabalhador, aquele que realiza uma obra, que transforma.

Será que temos sido obreiros ou simplesmente um executor de tarefas?

Para sermos transformadores precisamos estar impregnados de confiança e boa vontade no que queremos realizar. Executarmos tarefas além do que se espera de nós.

Pensando no trabalhador na seara do Mestre, mais ainda se espera de nós na condução das nossas ações como cristãos verdadeiros, impregnados do sentimento de caridade, do amor em ação, do anseio de ser um transformador, um mobilizador do bem.

Na parábola do senhor da vinha Jesus falou sobre vários grupos de trabalhadores convidados ao trabalho ao longo de várias horas do dia. Todos foram contratados pelo dono da vinha com a promessa de salários de valores iguais, independente do horário da contratação e início do serviço no campo.

No entanto, ao final do dia, ao receberem o pagamento, houve questionamento daqueles que começaram suas tarefas na primeira hora do dia, sentindo-se injustiçados por terem trabalhado por mais horas do que aqueles que só foram contratados na última hora.

Há muitas interpretações a respeito desta parábola. Observo por vezes que as interpretações se detêm tão-somente no aspecto material do pagamento pelo serviço prestado. Justifica-se, por exemplo que os que trabalharam apenas a partir da última hora teriam oferecido um serviço de melhor qualidade e, por isso, teriam merecido um pagamento de igual valor. Teriam sido mais eficientes. Há mesmo aqueles que dizem de o trabalho daqueles da primeira hora ter sido desperdiçado em alguns momentos, por isso precisaram trabalhar mais para merecerem o mesmo salário dos outros.

Trago uma reflexão que entendo estar no próprio Evangelho Segundo o Espiritismo (1), de uma forma bem expressiva, mas por vezes não muito externada ao se interpretar a parábola. Precisamos acolher o significado de salário não pelo seu aspecto material, mas sim, e principalmente, pelo aspecto espiritual.

Substituindo o termo salário por recompensa, teremos uma visão melhor da mensagem que Jesus veio nos oferecer com esta história – a recompensa é a nossa vitória sobre nossos vícios, nossas ambições, nossos afazeres inúteis; é alcançarmos a nossa reforma íntima com a transformação moral e espiritual; é verdadeiramente assimilar e internalizar os ensinamentos do Mestre no nosso íntimo; é promover o encontro com a grande luz que brilha por nós e em nós, sem que a percebamos na maior parte do tempo em nossas vidas.

O salário é o encontro com o reino de Deus em nós. Independente do tempo que abracemos a essência dos ensinamentos do Mestre como mola propulsora de nossa jornada terrena, a recompensa é a mesma para todos nós – encontrarmo-nos todos no Mundo Celestial em algum momento na eternidade.

Este momento será diferente para cada um, pois depende unicamente de como promovemos nossa jornada de evolução. Quanto mais e melhor nos dedicarmos ao trabalho na seara do senhor, mais célere será a nossa ascensão – menor será o período dedicado ao trabalho na “vinha”.

Também podemos acrescentar a esta reflexão que todos nós já estivemos trabalhando por algumas encarnações. Certamente já prestamos serviço na “vinha” por várias vezes ao longo de nossas várias existências.

Somos trabalhadores de todas as horas e neste momento de nossas vidas estamos mais conscientes, mais maduros espiritualmente. Já passamos por várias fases do processo de evolução e estamos cada vez mais perto da meta esperada para nós espíritos em evolução.

Alcançaremos o momento da recompensa sim, depois de completarmos o nosso trabalho na “vinha”, seja em que momento for o atingimento da nossa meta, mas conscientes de termos trabalhado, todos, desde a primeira hora até o último momento, podendo este ser diferente para cada um de nós.

Poderemos neste dia dizer como o apóstolo Paulo na sua segunda carta a Timóteo 4:6-8:

Quanto a mim, já estou sendo derramado como libação, e o tempo da minha partida está próximo.

Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.

Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.”

Do livro Evangelho é Amor II – Reflexões Evangélicas, Elda Evelina, Bookess Editora 

Separador-Evange
(1) (…) “Estes, que por último vieram, foram anunciados e preditos desde a aurora do advento do Messias e receberão a mesma recompensa. Que digo? Recompensa maior. Últimos chegados, eles aproveitam dos labores intelectuais dos seus predecessores, porque o homem tem de herdar do homem e porque coletivos são os trabalhos humanos: Deus abençoa a solidariedade. Aliás, muitos dentre aqueles revivem hoje, ou reviverão amanhã, para terminarem a obra que começaram outrora. Mais de um patriarca, mais de um profeta, mais de um discípulo do Cristo, mais de um propagador da fé cristã se encontram no meio deles, porém, mais esclarecidos, mais adiantados, trabalhando, não já na base e sim na cumeeira do edifício. Receberão, pois, salário proporcionado ao valor da obra.

O belo dogma da reencarnação eterniza e precisa a filiação espiritual. Chamado a prestar contas do seu mandato terreno, o Espírito se apercebe da continuidade da tarefa interrompida, mas sempre retomada. Ele vê, sente que apanhou, de passagem, o pensamento dos que o precederam. Entra de novo na lida, amadurecido pela experiência, para avançar mais. E todos, trabalhadores da primeira e da última hora, com os olhos bem abertos sobre a profunda justiça de Deus, não mais murmuram: adoram.” (Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap. XX, item 3, texto de Henri Heine)

Separador-Evange

A caminho da luz

Jesus, o Ser Crístico encarnado, teve como missão trazer-nos ensinamentos, fórmulas de vida, a esperança, ensinamentos sobre a caridade, a fraternidade, a compaixão, o amor.

Ao longo das nossas experiências de vida, apesar de conhecer os ensinamentos e tentar exercer esse aprendizado, não conseguimos ainda agir como seres esclarecidos e amorosos e nos percebemos frágeis.

Em certo momento encontramos no Mestre o nosso Consolador. É quando devemos nos conscientizar de que Deus nos oferece oportunidades de reencontrar o nosso caminho de luz, tantas vezes quantas sejam necessárias para que alcancemos a perfeição que o Pai espera de nós.

O Cristo é Consolador, pois ele nos proporciona a oportunidade de nos conscientizarmos de ser possível alcançar mundos evoluídos em algum momento, pois o amor vence todas as barreiras, bastando que verdadeiramente nos empenhemos em seguir e exercitar os ensinamentos do Mestre em nossas vidas.

Do livro Reflexões da Alma II, Elda Evelina, Bookess Editora

3 Comentários

  1. 21-4-2017

    Gostei. Muito bom.

  2. 14-2-2018

    Gratidão.

  3. 5-7-2018

    MARIA LÚCIA ADOREI, MUITO OBRIGADA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *