Jardim abençoado

Por qual razão a arte recebeu este nome?

Uma simples rosa, alguns botões a quererem se mostrar…

Azul suave a pintar o céu…

O verde quase imperceptível a fazer pensar onde as flores surgem em pequenos e suaves movimentos, por dias e dias.

Não só flores, é verdade, neste jardim aqui a se representar.

São rosas especiais que se fizeram presentes em minha mente, por horas e dias. E eu a deixá-las a colorir o meu pensar.

Chegou o dia em que me permiti acreditar ser capaz de representar o que minha mente expressava.

Dificilmente conseguiria fazê-lo como se mostravam em meu olhar interior.

Comecei o meu desabrochar da rosa.

Ela meu ponto de partida…

Primeiro como botão.

Depois as pétalas a seu redor, como a rosa a se abrir de encanto.

Não poderia ficar sozinha…

Outros botões surgiram, mas não os deixei se abrirem enquanto pintava. Ficariam como simples botões.

Simples? Não creio, teriam a mesma energia da rosa que me encantava.

Galhos e folhas vieram a seguir.

O azul do céu e o verde ao chão surgiram para completar a arte.

Olhei…

Analisei…

Assinei. 

Senti como uma bênção. Então…

Jardim Abençoado