Postado por em 1 abr 2018

Flofi, o coelho inteligente

Flofi, o coelho inteligente

Dedico esta pequena história a todas as crianças que desejam descobrir novos caminhos, viajar por outros mundos e, principalmente, se empenham em adquirir novos conhecimentos.

Ofereço em especial aos meus filhos e netas para que eles percebam o quanto é importante a dedicação, a disciplina e a vontade de se desenvolver intelectual e espiritualmente.

Com muito amor

A mamãe e vovó Elda

do livro Alegria do Natal e outras histórias, Bookess Editora, Nov/2011

separador

Era uma vez um coelhinho que sonhava ser astronauta. Seu nome era Flofi.

Gostaria muito de conhecer todos os mundos do Universo, mas seu limite ainda era o planeta onde morava.

Sabia pouco da via que existia em outros mundos. Não sabia ao certo nem mesmo se havia outros tipos de vida além das que conhecia em seu planeta.

Ele vivia a sonhar com o dia em que poderia se lançar no espaço, mergulhando no grande vazio existente entre os astros, e sentir-se livre para viajar para onde bem entendesse.

Conhecer novos mundos, novas estrelas. Esse sonho um dia iria se realizar, com certeza. Ele queria tanto … tanto …

Todos os dias ele orava pedindo a Deus a grande oportunidade de aprender a respeito do Universo e conhecer suas belezas.

No entanto, ele sabia que para se conseguir alguma coisa é necessário primeiro estudar. Quando queremos realizar algo, precisamos saber exatamente o quê e como fazer.

Assim, ele resolveu se dedicar ao estudo com muito carinho. Procurou saber quais as matérias de que necessitaria, as melhores escolas e pôs-se à luta com muita dedicação, muita leitura.

Aprender muito era sua primeira meta.

Inicialmente estudou as matérias mais simples. Aprendeu a ler, a escrever, conheceu os números, as montanhas, os rios, as árvores, os animais, as pedras e tantas outras coisas que o cercavam.

Afinal de contas, para aprender a respeito de outros mundos primeiramente necessitaria saber a respeito do seu próprio e das pessoas que aí moravam.

Não sabia ele, no entanto, que a vida lhe faria uma grande surpresa.

Deus ouviria suas orações realizadas com fé.

Os propósitos de Flofi eram nobres. Ele queria aprender e aplicar os seus conhecimentos para o bem de todos.

A recompensa por tanto trabalho e dedicação viria no tempo certo.

Um dia, depois de alguns anos de estudo, sacrifícios e de ter aprendido muito, ele conheceu uma pessoa muito bondosa por quem logo sentiu uma grande simpatia, era Samuel.

Era alguém diferente de todos os que já conhecera até então. A suavidade de seu rosto é difícil de explicar. A pele parecia de seda, com um brilho que vinha de dentro, luminosa. Os olhos meigos, profundos como a água do mar. Sua presença representava paz, amor, conhecimento, sabedoria.

Não havia quem não se admirasse com o semblante desse amigo. Era como se de dentro dele viesse uma energia cativante, uma luz especial. O amor e a paz viviam dentro dele.

Nosso coelhinho não cabia em si de contente, tinha um amigo como nunca pudera imaginar.

Eles passaram a se encontrar todos os dias. Eram momentos de grande felicidade para o nosso amigo coelhinho.

Samuel dedicou-se ao aprendizado de Flofi.

Transmitia seus conhecimentos com muito carinho e paciência. Respondia a todas as suas perguntas. E elas eram muitas, pois Flofi queria aprender sempre mais e mais. Não dava trégua. Era Samuel a ensinar e Flofi a aprender.

Os dias foram se passando e o conhecimento de Flofi aumentando. Era grande a satisfação de Samuel. Ele tinha um objetivo, mas ainda não havia revelado a Flofi.

Estava ele preparando um trabalho lindo a ser realizado pelo nosso amigo coelhinho e, com certeza, a concretização de todos os seus sonhos.

Flofi aprendera os nomes dos planetas, seus rios e montanhas, sobre a chuva, o frio e o calor, o tipo de ar que seus habitantes respiravam, movimentos de seus satélites. Sobre as pessoas e seus costumes. 

Enquanto Samuel lhe ensinava, Flofi ficava a imaginar como seu amigo sabia sobre tantas coisas.

Difícil acreditar que Samuel não aprendera realmente vivendo naqueles mundos desconhecidos para Flofi.

Assim, ele começou a ficar desconfiado de que seu amigo Samuel era alguém vindo de muito longe, de outro planeta.

Essa idéia fez com que o coraçãozinho de nosso Flofi batesse rápido.

A possibilidade de ser verdade fez com que seu coração quase saísse do peito.

Seria a realização de todos os seus desejos, mais ainda, tinha um amigo que viera de outro planeta para ensinar-lhe sobre outros mundos, sobre o Universo.

Não cabia em si de contente! No entanto, precisava ficar calmo e ter muita paciência. Se seu amigo mantinha segredo de sua origem era porque isso era importante e Flofi deveria respeitar a vontade de Samuel.

Então, com paciência e amor, continuou a estudar sobre todas as coisas com que sempre sonhara.

Aprendera, inclusive, sobre as naves utilizadas para as viagens interplanetárias.

Eram muitos os tipos, formas de utilização e materiais de que eram construídas.

Algumas serviam para pequenas viagens a curtas distâncias. Outras, maiores, permitiam viagens intergaláticas.

Havia as naves-mãe para socorro e reabastecimento. Estavam sempre à disposição para quando qualquer outra nave precisasse de seu apoio. Eram verdadeiras mães.

Havia naves com paredes transparentes. Pequenas, grandes. Naves-hospitais e tantos outros tipos.

Era como um sonho para o nosso amigo Flofi saber da existência de tantos objetos.

Um dia Samuel fez a Flofi um convite muito especial:

– Flofi, tenho visto sua dedicação aos estudos e posso dizer, com segurança, que tem aprendido muito. Acredito ter chegado a hora de você ver de perto algumas coisas sobre as quais leu e ouviu-me falar.

Vamos fazer uma pequena viagem juntos.

Quero que você fique bem calmo e atento. Você irá ser transportado para uma pequena nave já preparada, onde amigos meus estão nos esperando.

Terá contato com objetos ainda desconhecidos para você, mas de que já falamos algumas vezes. As pessoas que nos esperam têm formas diferentes das suas, mas curiosamente, serão familiares pois você já esteve com elas em seus sonhos.

Enquanto Samuel falava, Flofi quase deixou de respirar.

Aquela viagem era tudo com que sonhara por toda a sua vida. O dia havia chegado e ele não sabia como se comportar.

Seu coração estava acelerado, quase saíra do peito de tanta emoção.

Flofi sabia que, se quisesse participar dessa viagem, precisaria manter a calma. Para viagens interplanetárias com seu amigo Samuel seriam necessárias a harmonia do corpo e da mente e ele não poderia perder essa oportunidade que lhe estava sendo oferecida.

Respirou fundo, procurou acalmar o seu coração e disse a Samuel:

— Estou pronto. Estarei atento ao que você me mostrar. Vou aproveitar cada momento para aprender mais sobre todas as coisas criadas por Deus.

Samuel ficou satisfeito com o que ouviu, sabia ser de coração. Flofi sempre demonstrou estar interessado em aprender, por isso estava tendo esta chance. Deus reconhecera seu esforço e sinceridade e mandara dizer a Samuel que lhe preparasse essa viagem para novos aprendizados.

Aguardem as novas aventuras de Flofi.

Elda Evelina Vieira

6 Comentários

  1. 2-4-2015

    Amei a historinha de Flofi, o coelhinho esperto e sabido! Fico aguardando a continuação de sua fantástica aventura e assim terminar minha reflexão sobre vários sentimentos…

    • 2-4-2015

      Gostaria de saber quais seriam esses sentimentos a que se referiu a respeito da história.
      Talvez você até me ajude a continuar a história.
      Que tal?
      Beijos

  2. 2-4-2015

    Gracinha de história. tem tanto Samuel por aí tentando nos ensinar coisas importantes e nem sempre percebemos… Coelhinho de sorte, esse Flofi!

  3. 2-4-2015

    Pois é, amiga.

    Creio que um dos maiores problemas que temos é achar que sabemos o suficiente e não nos abrirmos para novas percepções e conhecimentos.

    Esta forma de agir é o que mais nos impede de evoluirmos, em qualquer área do nosso viver.

    Hoje mesmo, no estudo que fizemos no Grupo que frequento, minha prece final foi nesse sentido – pedir mais humildade para que nos disponibilizemos a aprender mais, refletir melhor, mas sempre com essa percepção de que sempre teremos algo mais a agregar, não importando o quanto já tenhamos conseguido conquistar.

    grata pelo carinho no acolhimento dessa historiazinha que, apesar da minha promessa, ainda não encontrou novos caminhos para continuar. rsrsrsrs

  4. 5-4-2015

    O mestre e o aprendiz. Assim também é a nossa vida espiritual: somos os aprendizes desejando conhecer os mundos que ainda não conhecemos e os nossos mestres – o maior é Jesus – nos ensinando tudo, conforme nossa capacidade de entendimento.
    Obrigado pela mensagem, minha amiga.

  5. 7-4-2015

    MUITO LINDA, ELDA! AGUARDO A CONTINUAÇÃO E ESPERO QUE VC A PUBLIQUE, SE AINDA NÃO O FEZ.
    GRANDE ABRAÇO,
    MARILIA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *