Posted by on mar 10, 2015 in Abertura, Mensagens | 0 comments

Natureza e vida

 

Há muito venho buscando e exercitando alternativas várias para expressar a minha emoção e prazer pela vida. Não só pela vida que trago em mim mesma, como também por toda expressão de vida que há à nossa volta.

Seja no cantar dos pássaros, em cores vibrantes que trazem em suas plumagens, mesmo que nem sejam tão vibrantes, talvez em tons pastéis… suaves e quase sem brilho.

Na exuberância das flores em suas mais variadas formas; pétalas em curvas sinuosas pelos movimentos ao desabrochar. Cores em vários matizes e multiplicidade de tons.

Árvores de troncos retorcidos como as do cerrado, ou robustos e frondosos como o do carvalho ou do Baboá. Suas folhas em inúmeros tons de verde, por vezes navegando pelo amarelo e marron, expressando as influências do tempo e do clima a que são submetidas.

A vegetação rasteira, esta também precisa ser mencionada. Quem já não sentiu sua energia ao pisar o solo com os pés descalços? Se você que está lendo este texto ainda não sentiu, por favor… experimente a sensação, sem bloqueios, permitindo-se, tão-somente, o sentir a energia a subir-lhe pelo corpo proporcionando prazer. Por vezes a sensação poderá não ser tão positiva, talvez pelo próprio preconceito de estar ali vivenciando a experiência pela primeira vez. Relaxe e curta o seu momento de contato direto com a energia da terra, da vegetação e do que mais ali estiver. Faça sua conexão com a Natureza direto de sua fonte.

Ah! O mar, com uma infinidade de seres em suas formas exuberantes e cores vibrantes, circulando pelas águas salgadas em movimentos dos mais singelos aos mais intensos. Sejam plantas, peixes, ou até mesmo mamíferos marítimos. Energia singular a ser sentida e absorvida, pela vida.

Não podemos nos esquecer das águas dos rios, riachos e lagos. Há também muita vida a se expressar vibrante e contagiante. As cachoeiras a deitarem suas águas a partir de grandes ou pequenas corredeiras. É o despencar-se proporcionando a energia que também move a vida, espalhada a toda sua volta beneficiando o ar, as pedras, todos os seres viventes receptivos que por ali se encontrarem.

O céu… Ah! O céu, com os tons de azul como o vemos olhando para o alto. Desenhado pelas nuvens que, por vezes, tomam formas as mais diversas, até mesmo de anjos com asas abertas como a nos abençoar. Eu vi uma assim, registrei e tomei esse dia como abençoado para mim. Foi quando de uma viagem à Ilha de Páscoa, Hapanui como referem-se ali aos nativos daquela terra.

Este céu a que me referi é aquele que vemos enquanto o sol brilha a proporcionar-nos calor, luz, bem-estar, condição de vida.

À noite, é um outro céu que podemos visualizar, o céu das estrelas e dos astros outros que se permitem ser vistos por nós através de nossos olhos físicos. Perguntariam a mim, por que referir-me aos olhos físicos? Ah! É porque temos, muitos de nós, a capacidade de olhar e enxergar com os olhos da Alma e, neste caso, o que vemos vai muito além, pois estarão presentes também os sentimentos; a memória guardada de séculos idos de experiências vividas; de contos e histórias contadas e ouvidas; de sonhos sonhados, realizados ou não.

A lua… o astro romântico da noite. Há muitos suspiros à luz do luar; muitas músicas que nos remetem ao amor, ao profundo sentimento exalado do coração dos enamorados. Eu tenho um carinho muito especial por este astro, em todas as suas fases, mas tenho preferência muito especial quando ela se mostra em todo o seu esplendor em sua fase plena. É mais emocionante observar a lua em seu brilho branco, por vezes azulado, tem até mesmo a Lua de sangue, em seu amarelo avermelhado intenso. Você até poderia querer me dizer: a lua não tem brilho, só reflete a luz que o sol empresta a ela. E eu respondo: por onde transitam seus sonhos, sua emoção, sua imaginação e criatividade?

Navegando pelo espaço visível estão os pássaros, aqueles a que me referi antes, que em seus voos expressam a própria sensação de liberdade.

Ah! Como gostaria de poder alçar voos com o meu próprio corpo, sem necessidade de instrumentos ou recursos outros. Porque já consigo voar com a minha Alma que, incontida no meu corpo, insiste em buscar em outros ares suas lembranças e sonhos a realizar. Sinto, por vezes, a sensação da liberdade fora do corpo e posso sentir o que me envolve – ar, água, espaço cósmico, o que seja – e saber que estou integrada a esse contexto, sou parte dele, somos um só Ser a interagir-se trocando energias e emoções.

É maravilhosa essa sensação… a experiência da vida e do viver em harmonia com tudo o que nos cerca.

 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *